Meu nome é Sandro Roberto Hoici, médico urologista a 17 anos em Nova Andradina, eleito vereador em 2008 e reeleito em 2012. Criei este blog para tratar de assuntos de saúde e também prestar contas sobre meu trabalho na Câmara Municipal.

Destaque

Campanha Saco é um Saco

Campanha

Saco é um saco


Participe você também!

Citação

“Seja a mudança que você deseja ver no mundo.”
por Mahatma Ghandi

Saúde

03
mar

Projeto que reconhece Centro de Diagnóstico como utilidade pública é apresentado na Câmara

De autoria do vereador Dr. Sandro Hoici, projeto reafirma importância da entidade que difunde o diagnóstico precoce do câncer de mama e colo do útero

 

Projeto que reconhece Centro de Diagnóstico como utilidade pública é apresentado na CâmaraO projeto de Lei que concede o Título de Utilidade Pública ao Centro de Prevenção e Diagnóstico do Câncer do Hospital de Câncer de Barretos – Unidade de Nova Andradina foi apresentado em Sessão Ordinária nesta segunda-feira (13), na Câmara Municipal.

De autoria do vereador democrata Dr. Sandro, o projeto reafirma a importância da entidade que difunde o diagnóstico precoce do câncer de mama e colo do útero, com a prestação da assistência médica gratuita em regime ambulatorial a usuários que necessitam de exames.

“Com a missão de desenvolver e proporcionar assistência médico-hospitalar em Oncologia, com qualidade e humanização, para todas as pessoas de todos os grupos sociais, preferencialmente do Sistema Único de Saúde (SUS) e apoiada por programas e prevenção, através de ações humanizadoras e constante aperfeiçoamento técnico e profissional, a Fundação Pio XII é referência mundial pelo padrão de qualidade no atendimento e assistência à saúde especializada, o que justifica seu reconhecimento como de utilidade pública”, ressalta Dr. Sandro.

Segundo o parlamentar, a concessão do título de Utilidade Pública a entidades, fundações ou associações civis significa o reconhecimento do poder público de que as instituições, em consonância com o seu objetivo social, são sem fins lucrativos e prestadoras de serviços à coletividade. Com este documento, as organizações também podem inscrever-se em editais e estarão aptas a obter recursos públicos.

03
mar

Combate à dengue integra pauta da Câmara

Vereador Dr. Sandro Hoici apresenta indicações com foco no combate ao Aedes aegypti

Para assegurar agilidade na detecção da dengue, no tratamento da doença e nas ações de campo para combater o mosquito transmissor, o vereador Dr. Sandro Hoici (DEM), apresentou indicações parlamentares com este enfoque, em sessão ordinária da Câmara desta segunda-feira (13).

Combate à dengue integra pauta da CâmaraNa indicação de nº 88, o democrata reivindica ao Executivo Municipal a aquisição de aparelhos de detecção do vírus da dengue, sugerindo assim, que o município saia à frente nas ações de controle e tratamento da referida doença, havendo a possibilidade de identificar, por exemplo, se há indícios de epidemia e a possibilidade de ações de combate mais direcionadas.

“Com esses testes será possível detectar os quatro tipos de dengue, agilizar o tratamento e as ações para combater o mosquito transmissor”, elenca, argumentando ainda que algumas cidades do país já efetuaram a compra do dispositivo. “O resultado é rápido e sai em cerca de 20 minutos”, complementa.

A disponibilização de caçambas comunitárias para a dispersão/descarte de lixo das residências, como forma de prevenir e colaborar no combate à dengue também pautou indicação de Dr. Sandro. Ele cita o exemplo bem sucedido do município paulista de Pereira Barreto, que adotou essa política de prevenção à dengue. “Melhor estudada, esta atitude possibilitaria à população, colaborar mais diretamente no combate desta epidemia”, argumenta.

03
mar

Nova Andradina em alerta contra o Aedes aegypti e H1N1

Vereador Dr. Sandro Hoici elencou meios eficazes para evitar epidemias

Nova Andradina em alerta contra o Aedes aegypti e H1N1Nova Andradina deve estar em alerta contra o mosquito Aedes aegypti e um possível surto da gripe H1N1. O alerta é do vereador Dr. Sandro Hoici (DEM), que durante sessão da Câmara Municipal destacou meios eficazes para se evitar epidemias no município.
“Solicitamos ao prefeito Gilberto Garcia e ao secretário municipal de Saúde, Norberto Fabri Júnior, a intensificação de ações de combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor Dengue, Chikungunya e Zika Vírus, pois estudos mostram possíveis surtos nos próximos anos”, adiantou o parlamentar.
“A indicação se justifica uma vez que o ciclo, entre uma epidemia e outra, geralmente é de três anos. Tendo em vista que já está perto de se fechar, uma vez que o maior surto do qual se houve registro em nossa cidade foi há pouco mais de três anos, inclusive registrando óbitos, se fazem necessárias medidas preventivas com maior intensidade”, cobrou o vereador.
Também durante sessão, o parlamentar indicou ao Executivo de Nova Andradina para que se verifique a possibilidade de aquisição de vacinas contra a gripe H1N1. “Essa indicação se faz necessária para que possamos proteger toda ou grande parte da população contra a gripe H1N1”, defendeu.
De acordo com o vereador, as vacinas devem ser compradas no início do ano, pois o prazo de entrega é em torno de 60 dias, de acordo com a demanda. “O período ideal de vacinação deve iniciar por volta do final do mês abril. Em 2016, os municípios não conseguiram comprar doses extras das vacinas pela alta demanda, devido ao surto ocorrido do ano”, lembrou.
A programação visa evitar transtornos com doses extras, além de proteger grupos de risco que não estejam na classificação prioritária do Ministério da Saúde. A prática já tem sido adotada por alguns municípios de Mato Grosso do Sul.
“Com atitudes como esta vamos reduzir o número de pessoas doentes, melhorando a qualidade de vida e economizando gastos excessivos na rede pública, garantindo uma maior cobertura da população contra o H1N1 e minimizando um possível surto da gripe em nossa região”, pontuou Dr. Sandro.

03
mar

Com foco na preservação ambiental, Dr. Sandro propõe substituição de copos descartáveis

A proposta requer ainda que a aquisição dos reutilizáveis para uso dos funcionários seja por conta da Casa de Leis.

O vereador democrata Sandro Hoici defendeu na sessão ordinária desta segunda-feira (24) a substituição dos copos descartáveis por copos reutilizáveis. A ideia é que servidores do Legislativo Municipal tenham um copo reutilizável individual para uso diário.

A proposta requer ainda que a aquisição dos reutilizáveis para uso dos funcionários seja por conta da Casa de Leis.

Com foco na preservação ambiental, Dr. Sandro propõe substituição de copos descartáveisConforme o Parlamentar, o consumo de copos descartáveis diariamente é de, em média, quatro por funcionário, o que totaliza 80 copos ao final do mês. “A Câmara Municipal conta atualmente com 54 servidores, o que resulta no uso de 4.320 copos descartáveis mensalmente”, explicou.

Vale ressaltar que o preço unitário de cada copo custa em torno de R$ 0,03. Por ano seria gasto R$ 1.555,20, totalizando um montante de R$ 6.220,80 ao final de cada mandato. Com a aquisição de copos reutilizáveis para cada funcionário será gasto apenas uma única vez o valor de R$ 216,00, já que cada copo custa em torno de R$ 4,00.

Dr. Sandro acrescentou que os copos descartáveis ficarão disponíveis apenas para visitantes. “Apenas ¼ do que se compra hoje, ou seja, 75 mil unidades, ficará a disposição para o uso dos munícipes”, salientou.

O Vereador evidenciou que além de reduzir custos a proposição visa contribuir com a preservação ambiental, já que um copo descartável leva em torno de 250 a 400 anos para se decompor.

Dr. Sandro também considera importante a substituição para a saúde do servidor. “Segundo o Ministério da Saúde, os copos descartáveis possuem em sua composição uma substância chamada Estireno, que quando em contato com café quente solta uma quantidade acima do considerado seguro, podendo causar câncer”, esclareceu.

17
jan

NA VOZ DO POVO: JUSTIÇA E CONFIANÇA

Ultimamente os compromissos vocacionais dos médicos brasileiros vem sendo questionados sem qualquer embasamento concreto, no período de 2013 a 2016 a classe médica sofreu constante agressões por meio de interesses monetários e políticos, onde os mesmo vivem em democracia racionada, corrupção e propagandas enganosas.

Nesse período de injustiça, autoridades governamentais passaram a culpa tanto de gestão e descaso com a saúde pública aos médicos, tanto pela precariedade da atenção aos paciente quanto as campanhas hospitalares, onde é comumente se ouvir que falta tudo ou quase tudo. Atribuiu-se a culpa nos médicos pela grande quantidade de litígios judiais, mas fizeram esquecer de que se um dos três poderes da Republica esta desgovernado deve-se ao fato de que os outros dois não devem estar cumprindo seus papéis.

IMG_1237A falta de leitos hospitalares, de radioterapia e quimioterapia, de tratamentos oncológicos, de insumos, de medicamentos inseridos nas cestas básicas do SUS, de medicações efetivas para os portadores de doenças raras ou negligenciadas, bem como a limitada e simbólica disponibilidade de droga eficaz para a cura da hepatite C, a inexistência de terapias imunobiológicas e de erradicação da tuberculose multirresistente são apenas alguns do exemplos das distorções ocasionadas pelo comodismo do Ministério da Saúde. A incompetência administrativa ficou evidenciada pela incapacidade de investir um montante de R$ 136,7 bi nos últimos 14 anos, os mesmo estavam disponíveis em um orçamento inadequado.

… em todo País, os resultados mostraram a Medicina no topo do ranking do quesito de confiança.

Quanto a competência e racionalidade é direito e dever ético, moral e jurídico dos médicos, zelar pela saúde humana. O Poder Público de qualquer esfera não pode se apresentar de forma diferente, sob pena de incidir, censurável omissão e/ou grave comportamento inconstitucional.

IMG_1438Apesar das difamações da categoria médica e das más condutas de alguns profissionais da área, a população ainda dá crédito a imensa maioria da classe. O povo reconhece os esforços médicos, eles veem a humildade e compaixão, e o que a memória popular se lembra é as conversas francas e humanitárias, esses fatos são embasados em uma pesquisa solicitada pelo Conselho Federal de Medicina ao Instituto Datafolha.

Na opinião popular, segundo a pesquisa que entrevistou vários segmentos da população em todo País, os resultados mostraram a Medicina no topo do ranking do quesito de confiança. Assim, o cidadão brasileiro externa sua convicção de integridade e resolubilidade do médico, em péssimas condições de trabalho, fez justiça ao seu desempenho de sua função, verdadeiro exercício da cidadania, em tempo integral e no mais elevado patamar da consciência.

Fonte: Jornal Medicina – Set/2016 CFM