hepatiteHepatite é um termo genérico que significa inflamação do fígado. A doença pode ser causada por medicamentos, doenças autoimunes, metabólicas e genéticas, álcool, substâncias tóxicas e vírus. É considerada, atualmente, o maior problema global de saúde pública e, se não for adequadamente diagnosticada e tratada, pode evoluir para suas formas mais graves: insuficiência hepática aguda, cirrose, câncer do fígado e até mesmo a morte. Diante da importância do assunto, a Organização Mundial de Saúde instituiu o Dia Mundial de Luta contra as Hepatites no dia 28 de julho.

Sobre as Hepatites

No Brasil, existem cinco principais tipos de hepatites virais (A, B, C, D e E), que se diferem quanto sua forma de transmissão. As hepatites virais A e E são transmitidas pela via fecal-oral e estão relacionadas às condições de saneamento básico, higiene pessoal, qualidade da água e dos alimentos. As hepatites virais B e D são transmitidas, na maioria das vezes, por meio de relação sexual e do contato com fluidos de sangue contaminado, presentes em alicates, instrumentos cirúrgicos e odontológicos não esterilizados, em lâminas de barbear e outros produtos que contenham o material contaminado.

Já a hepatite C está associada ao compartilhamento de seringas de drogas injetáveis (cocaína, anabolizantes e complexos vitamínicos), inaláveis (cocaína) ou pipadas (crack), à transfusão sanguínea e/ou hemoderivados antes de 1993, quando não havia testagem sorológica do sangue, e ao uso de material não esterilizado na realização de tatuagens, colocação de piercings, em procedimentos realizados em salões de beleza, podólogos e em consultórios médicos e odontológicos que não obedecem às normas de biossegurança.

Em Mato Grosso do Sul, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) através da Coordenadoria do Programa DST/AIDS e Hepatites Virais iniciou na ultima quinta-feira (23) a distribuição dos materiais informativos aos 79 municípios referentes ao Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais, comemorado no dia 28 de julho.

Conforme os dados da Organização Mundial da Saúde, no mundo, cerca de 240 milhões de pessoas são portadores crônicos de hepatite B e mais de 780 mil pessoas morrem anualmente por complicações relacionadas a este vírus, incluindo cirrose e câncer hepático.

Quanto à hepatite C, a OMS aponta que aproximadamente 150 milhões de pessoas são portadoras crônicas do vírus e que cerca de 500 mil pessoas morrem anualmente em decorrência das complicações relacionadas a ele.  A média de casos de hepatite B notificados no Brasil é de 6,9 por 100 mil habitantes. Já a hepatite C atinge em média, no Brasil, 6,6 pessoas em cada grupo de 100 mil habitantes.

Atualmente são disponibilizadas para a população as vacinas que protegem contra a hepatite A e hepatite B. A vacina contra a hepatite A foi introduzida no Calendário da Vacinação da criança e está disponível em todas as salas de vacina da rede pública para crianças de 12 meses a menores de 2 anos (1 ano, 11 meses e 29 dias). Já a vacina contra a hepatite B é ofertada nas salas de vacina dos centros de saúde para a população em geral de zero a 49 anos e para grupos priorizados com alto risco de exposição, mesmo fora da faixa etária.

Veja também:

  1. Nova Andradina realiza ação no Dia Mundial de Luta contra Aids
  2. Dia mundial de luta contra a AIDS
  3. Outubro: mês que lembra a luta contra o Câncer de Mama em todo Mundo.
  4. Dia D da vacinação contra paralisia infantil cumpre 60% da meta
  5. 14 de Novembro – Dia Mundial do Diabetes